Eugène Delacroix - "A liberdade guiando o povo" - 1830






18 de abr de 2010

O DESCONTROLE


 

Janio de Freitas – Folha de São Paulo em 18/04/2010


 

O cerco que acomete o  presidente Lula, feito de contrariedades e desafios à sua soberba, é invariável.

 


A AGRESSIVIDADE
de Lula nos últimos dias é um sinal que cada um de nós pode interpretar como quiser, mas o cerco que o acomete, feito de contrariedades e desafios à sua soberba, é invariável. E, inconclusos, todos prometem desdobramentos ainda mais agitadores dos ânimos presidenciais.


O insulto de Lula aos ministros do Tribunal de Contas da União, acusados de "leviandade"
por concluírem que Geddel Vieira Lima destinou à Bahia 65% das verbas de prevenção a calamidades, revela a responsabilidade maior do próprio Lula, no caso. Seu nomeado para o rico Ministério da Integração Nacional, no segundo mandato, foi nada menos do que um "anão do Orçamento", salvo da degola por um pedido de última hora de Luiz Eduardo Magalhães ao relator Roberto Magalhães.
Durante o primeiro mandato de Lula, Geddel manteve-se contrário ao governo, mesmo como integrante do PMDB, e se dedicou a atividades que criaram um bordão em Brasília: "Geddel vai às compras".


Por isso mesmo, o motivo de sua nomeação é ainda mais revelador.
Foi parte do acordo para que o PMDB de Geddel apoiasse Jaques Wagner, incapaz de eleger-se ao governo baiano só com o PT. Muito ligado ao casal Jaques Wagner, Lula apoiou o acordo comprometendo a entrega de uma parte importante do governo, como o Ministério da Integração Nacional repleto de verbas e obras, na permuta eleitoral com um "anão do Orçamento".
Geddel tratou de usar o ministério para sua própria candidatura, a par, claro, de outras finalidades.

 
 

A leviandade, ou muito mais, está no Tribunal de Contas da União?

 
 

Lula já havia falado, aqui, de seu encontro com Barack Obama, no decorrer da reunião em Washington sobre a ampliação do Tratado de Não Proliferação de Armas Atômicas.
A Casa Branca liberou agora, e não à toa, a relação das conversas pessoais agendadas por Obama.
Lula ficou de fora.
O que, para tanto deslumbramento e soberba, tem ares de humilhação. Inclusive porque as relações entre os Estados Unidos e o governo brasileiro estão muito mais difíceis do que transparece no Brasil.

 
 

Daí a provocação de Lula na quinta-feira, em resposta à Casa Branca:
referiu-se ao "amigo Ahmadinejad".
Seguindo-se sua exaltada volta às bravatas: "Não vão fazer com o Irã o que vão fazer com o Iraque". Outro assunto em que o inesperado atingiu Lula, com as ressalvas da Rússia e as reticências da China em sua defesa do programa nuclear de Ahmadinejad.
O risco de isolamento ameaça Lula, neste caso em que a posição oficial do Brasil não se confunde com a posição civil do país.

 
 

Lula forçou todas as resistências, afastou Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente, propagou por aí afora a construção da terceira maior hidrelétrica do mundo, fez uma estranha concorrência –e, ao final o consórcio das maiores empreiteiras comunica a desistência da concessão e da obra. Então, lá vem bravata:
"Belo Monte vai ser feita de qualquer jeito, o governo vai fazer". O que leva à mesma pergunta de Lula para a correção das aposentadorias: "onde está o dinheiro?"

 
 

A enrolação da compra dos caças da FAB chega a um ponto de difícil continuação. Disposta na mesa como um jogo sem saída: qualquer que seja "a escolha", o governo está advertido de que terá problemas, ou por não cumprir o combinado, ou por não fazer uma concorrência correta.

 
 

Para encerrar a semana com coerência, o desafio de Lula à Justiça Eleitoral avançou para um ataque aos magistrados que, no fundo, é uma convocação aos políticos para a desobediência à Constituição.
Outro embate que Lula, por certo, sabe não ter como ganhar. Até por já estar sob o risco de uma ação por crime de responsabilidade, hipótese citada mais de uma vez nas reações à sua agressão verbal.

 
 

Se à lista acima alguém quiser acrescentar outros embaraços em torno da agressividade Lula, fique à vontade. Existem, mesmo.

 
 

Nenhum comentário: