Eugène Delacroix - "A liberdade guiando o povo" - 1830






17 de abr de 2010

Pesquisa Datafolha aponta Serra com 38% e Dilma com 28%

A corrida presidencial teve pouca oscilação apesar do lançamento oficial da pré-candidatura de José Serra em grande festa do PSDB no último dia 10. Segundo pesquisa Datafolha realizada nos dias 15 e 16, José Serra (PSDB) registrou 38% das intenções de voto contra 28% de Dilma Rousseff (PT).

As informações são da edição deste sábado do jornal Folha de S. Paulo. No final de março, Serra tinha 36% e Dilma marcava 27% no Datafolha. A vantagem do tucano era de nove pontos. Agora, é de dez pontos. Do ponto de vista estatístico, o quadro não sofreu alteração - a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa está registrada no TSE com o nº 8383/2010.

Segundo informações da pesquisa divulgada pelo jornal, Marina Silva (PV) teve 10% das intenções de voto, seguida por Ciro Gomes (PSB), com 9%. Em março, Marina tinha 8% e Ciro 11%. Quando Ciro Gomes é retirado do quadro de candidatos - o PSB ainda não o lançou oficialmente -, a diferença entre Serra e Dilma alarga-se um pouco: o tucano fica com 42% contra 30% da petista - uma distância de 12 pontos. Na pesquisa espontânnea - em que os nomes dos candidatos não são apresentados ao entrevistado - Dilma tem 13% contra 12% de Serra. Na pesquisa anterior, a petista aparecia com 12%, e o tucano, com 8%.

Em simulação de um possível segundo turno entre os dois candidatos, Serra tem 50% da preferência dos entrevistados, Dilma tem 40%. No mês passado, 48% escolheram o ex-governador de SP e 39% optaram pela ex-ministra. O Datafolha realizou esta pesquisa cinco dias após a festa do PSDB para José Serra se lançar na disputa. A pesquisa ouviu 2.600 eleitores em 144 municípios. O outro levantamento, feito entre 24 e 25 de fevereiro, também ocorreu cinco dias após o lançamento oficial da candidatura da petista Dilma Rousseff.


 

***********************************

Creio que isso acaba de vez com qualquer dúvida que existiria sobre a idoneidade do instituto Sensus e suas pesquisas forjadas, sob encomenda.

Nenhum comentário: