Eugène Delacroix - "A liberdade guiando o povo" - 1830






16 de abr de 2010

Sete anos depois, Dilma promete quase tudo


 

Vejam a notícia publicada pelo O Globo. Comento em seguida:

*************************************************************

De Leila Suwwan e Isabel Marchezan:

Apesar de ter participado do governo Luiz Inácio Lula da Silva desde o começo, após sete anos e meio a ex-ministra e pré-candidata à Presidência pelo PT, Dilma Rousseff, disse ontem que é possível acabar com a pobreza em uma década e que dá para zerar o déficit habitacional "tranquilamente".

Ela fez ontem, em Porto Alegre, um discurso para empresários no qual ainda indicou suas primeiras promessas: além de zerar o déficit habitacional, iniciar a reforma tributária, que o governo Lula também não conseguiu fazer.

A ex-ministra apontou como um dos desafios acabar com a pobreza no país em uma década.

Para ela, foram as políticas econômicas e sociais do governo Lula que criaram as condições para essa trajetória, porque, disse, conseguiram derrotar o enigma da "esfinge maligna" da "estagnação e desigualdade". A petista chegou a chamar de "insensatez" e "maluquice" as políticas industrial e educacional da gestão Fernando Henrique, sem citá-lo.

Leia mais em O Globo

***************************************************************

A mãe do PAC subestima a inteligência do povo, ou na melhor das hipóteses, dos poucos empresários que estavam no evento. A única reforma tributária possível para o PT é super taxação de todo bem de capital, com o intuito de inchar ainda mais o Estado, podendo colocar cada vez mais aliados, aumentando a lista de parasitas do Brasil.

Para acabar com a pobreza no Brasil, deveria começar pela pobreza de espírito dos petistas. Já seria um enorme avanço para nosso país.

Não existem nem nunca existiram "políticas econômicas" do Lula. Tudo o que ele fez foi não mudar o que FHC fez. Foi o nada mais bem feito da história.

Imaginar um ser deste tipo governando o Brasil, chega a dar ânsia de vômito. Deus nos livre desta gente.

Nenhum comentário: