Eugène Delacroix - "A liberdade guiando o povo" - 1830






25 de out de 2010

CESAR MAIA - AS PESQUISAS E PROJEÇÕES PARA O DIA DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

Do ex-blog do Cesar Maia:
1. As pesquisas são balizadores, ou como preferem os diretores técnicos do IBOPE e DATAFOLHA, são 'diagnósticos' e não 'prognósticos'. O importante, nesta reta final, é entender que pontos da comunicação dos candidatos estimulam o voto a seu favor, na base da sociedade através do que estatísticos chamam de 'jogo de coordenação'. Ou seja, a conversa solta e informal entre pessoas nos seus locais de moradia, trabalho, lazer..., sobre a campanha. Como induzir agendas que estimulem essas conversas na direção desse ou daquele candidato?

2. Paulo Coelho em "O Aleph": "É o que você faz no presente que redimirá o passado e logicamente mudará o futuro." Criticar as pesquisas não adianta nada. Há que avaliar as possibilidades efetivas de vitória -hoje- e trabalhar com elas.

3. Para não se entrar nas vísceras das pesquisas e buscar os polos de indução, o que exigiria centenas de cortes por região, nível de instrução, situação em relação ao emprego, a religião, a preferências na imprensa... (o que exigiria um, aqui, espaço muito grande e os dados internos das pesquisas) vamos nos concentrar nos cortes das grandes regiões que todos acompanham. Isolemos o Norte e Centro-Oeste, supondo que se anulem, pró-Dilma, pró-Serra. Ambos têm 7% dos eleitores.

4. A projeção dos resultados das pesquisas realizadas e em realização, pesquisas nacionais e diárias, mostra que Dilma vencerá no Nordeste e Serra no Sul e no Sudeste. Para simplificar, use a relação 1 para 2. Ou seja, a diferença de Dilma no Nordeste é compensada por uma diferença que seja a metade dessa no Sudeste. Se a diferença de Dilma no Nordeste for de 2, no Sudeste Serra terá que vencer por 1 para empatar.

5. As pesquisas de 'ontem' dão a Dilma no Nordeste uma diferença de 30 pontos. Se isso se confirmar, Serra teria que ter no Sudeste e no Sul 15 pontos de diferença. No Sul caminha para isso. O Datafolha já deu 11%. Chegar aos 15 pontos é provável. Em SP, pesquisas deste fim de semana já dão a Serra 20 pontos de diferença. O eleitorado de SP é de 2,6 vezes o do RJ. Com isso, a diferença -de ontem- pró-Dilma no Rio de 10 pontos é coberta por SP e ainda sobram 5 pontos para MG.

6. Em MG, a diferença foi eliminada nos últimos dias e o empate de ontem projeta uma vitória de Serra. Se Serra vencer em MG por 10 pontos a eleição estará empatada. (Ou claro, se reduzir a diferença no Nordeste, RJ, etc.).

7. E ainda há o complicador do 'não voto', ou seja, dos votos brancos, nulos e abstenção que mexem com importantes 3 a 4 pontos no final. O 'clinche' entre Serra e Dilma, com acusações recíprocas, deve afetar esse conjunto do 'não-voto' ampliando-o em relação ao primeiro turno. E, por razões sociais e sub-regionais, ocorre mais no Nordeste.

8. Política é um jogo estratégico: depende dos movimentos recíprocos das forças adversárias. Os números das pesquisas falam de ontem. Mas o jogo está sendo jogado e os 'jogos de coordenação', em andamento. Os números anteriores são factuais. E não são estáticos. O jogo está aberto.




Nenhum comentário: