Eugène Delacroix - "A liberdade guiando o povo" - 1830






29 de mar de 2011

Óleo de peboba nele (ou deveria ser haloperidol?)

Em notícia publicada hoje pela BBC Brasil “Brasil está certo em apoiar investigação do Irã, diz Lula”, o ex-presidente, com síndrome de abstinência de poder, abre a matraca, para como sempre, dizer um festival de besteirol. Lula sofre de um caso crônico de cara de pau ou seria algum tipo de psicose?


Vamos ao que ele disse: "Eu sou favorável a que tenha um relator. Acho que foi correto o voto do Brasil. Tem que ter um relator que vá ao Irã investigar. O relator não é obrigado a concordar com as acusações feitas por outros países, mas você não pode impedir que vá alguém investigar se há ou não atrocidades contra os direitos humanos" Lula está se sentindo extremamente constrangido de ver que seu próprio boneco está dizendo coisas diferentes, a que ele, o ventríloquo mandou dizer. Lula passou seu mandato inteiro defendendo Muhammad Ahmadinejad, dizendo-se seu “grande amigo”. Lula lavou as mãos nos casos de apedrejamento de mulheres, pagou o mico da década querendo bancar o mediador na crise atômica envolvendo o Irã. Mas o que mais chama a atenção, é que Lula diz que é importante a presença de um relator que “não é obrigado a concordar com as acusações feitas por outros países” e que ele (o relator) deve investigar se há ou não atrocidades contra os direitos humanos. De duas uma: ou Lula tem algum problema para compreender as coisas, uma vez que a lapidação é uma prática comum no Irã, que não faz questão nenhuma de esconder, ou Lula acha que apedrejamento de mulheres não agride em nada os direitos humanos.

Na mesma entrevista Lula solta outra pérola, quando questionado sobre a volta da inflação no Brasil: "Acho que se tem um país que não tem problemas é o Brasil.” Por favor, se alguém souber onde fica este outro Brasil, ao qual Lula se refere, por favor, me avisem, pois eu adoraria conhecer.